A tiktolização das profissões.

ONDA TIKTOKER NAS PROFISSÕES: PERIGO REAL OU MIMIMI?

Há quem diga que a exposição das atividades profissionais sempre foram um problema e um perigo real, não apenas para o profissional mas também para o consumidor/paciente do serviço prestado.

Outra parte já defende que o uso de redes sociais como tiktok e outros é bem visto, uma vez que facilita o acesso a informação, aos bastidores, tornando mais humana a comunicação profissional e agregando o humor a atividade.

Fato é, com a popularização dos perfis profissionais em rede sociais, tornou-se comum usar vídeos que trazer humor para uma atividade profissional.

Não há dúvidas que a leveza e o bom astral em sua atividade profissional são notáveis habilidades desejadas em qualquer ramo laboral, todavia, até onde?

Fazer sátiras com pacientes pode? Brincar com a estrutura do Estado pode? Enaltecer o humor diante de uma situação com um cliente ou um colega de trabalho, pode?

Qual o limite? Vale o risco? Saiba mais inclusive com os impactos profissionais no artigo completo em nosso blog!

Além do sigilo profissional que permeia grande parte das atividades de profissionais autônomos justamente para proteger os interesses do paciente/consumidor, há que se registrar que a popularização de vídeos os quais tentam realizar “sátiras” com conteúdo profissionais, não se aprofundam nas problemáticas em questão, levando o expectador a interpretações não apenas mercatins, mas errôneas sobre a atividade em si.

Há quem afirme que o movimento digital, em especial de rede sociais, é um fenômeno sem retorno, eis não há como controlar todo o conteúdo ou trafego imposto, todavia ao admitir que não é possível realizar o “controle total” sobre o que é publicado, o produtor daquele conteúdo atrai para si a responsabilidade em caso de publicação enganosa ou que atente contra os interesses do seu interessado.

Mas então, vale o risco?

Saiba mais no artigo completo no site.

Notadamente, a responsabilização pela má prestação de serviços (art. 14 a 18 do CDC + art 186, 187 e 927 do CC), ou a violação dos deveres de intimidade conforme determina a respectiva sociedade de classe (OAB, CRM, CRO, CRC etc), podem ser motivos de acionamento judicial ou ainda na respectiva entidade.

Existem dois grande lados:

O primeiro seria a escassez profissional, levando profissionais a métodos menos ortodoxos na angariação de clientes/pacientes, o segundo, seria a conduta absolutamente “inofensiva”, que busca trazer uma espécie de hobbie para a atividade profissional.

Independe da alcunha usada para difundir não apenas o tiktok, mas o instagram, linked, ou quaisquer outras redes sociais, necessário que sejam adotadas os mínimos de cautelas para que não seja causado prejuízos a sí ou, a terceiros.

Listamos alguns cuidados:

  1. Não violar a intimidade de terceiros;
  2. Não expor nomes ou dados pessoais;
  3. Não atentar contra a dignidade ou a urbanidade profissional;
  4. Ao expor conteúdo, registre os avisos de praxe como consulta ao seu médico ou ao seu advogado;
  5. Não informar preço nem valores para não caracterizar capitalização indevida;
  6. Não informar meios de contato no vídeo ou publicação para não caracterizar capitalização indevida;

Em regra geral, essas são as dicas que no momento, podemos oferecer.

Esperamos que esse breve artigo tenha sido de ajuda! Nos deixe saber sua opinião. Eai, vale tudo no mundo digital de 2021?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WeCreativez WhatsApp Support
Nosso time de advogados está pronto para solucionar o seu caso!
👋 Ei, como podemos ajudá-lo?